Contador

MP pode denunciar prefeita de Mossoró Fafá Rosado por propaganda irregular

O promotor do Patrimônio Público, Fábio Weimar Thé, está de olho na mistura entre pessoal e institucional nas propagandas financiadas pela Prefeitura de Mossoró.
Ele está concluindo para breve uma ação civil pública contra a prefeita Fafá Rosado (DEM) por fazer promoção pessoal de peças institucionais do munícipio.
Segundo Fábio, as propagandas possivelmente irregulares foram através de encartes distribuídos junto com edições da Gazeta do Oeste. Em contato com a reportagem, o promotor disse não lembrar a data exata, mas informa qual era o assunto: "Foi naquela primeira reportagem da Revista Veja sobre Mossoró. Havia fotos dela e de alguns secretários, numa clara promoção pessoal".
O promotor, que é o coordenador das Promotorias do Patrimônio Público, disse que o procedimento investigativo está em fase de conclusão. "Estou em vias de entrar com a ação", explica.
Segundo Fábio Weimar Thé, só um fato o faz mudar de idéia quanto à ação: a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) entre Ministério Público e Prefeitura de Mossoró, com a finalidade de regulamentar a propaganda com dinheiro do município.
"Estou aguardando uma resposta do procurador do município (Olavo Hamilton), que até agora não foi dada", lamentou.
Caso a ação seja movida e a prefeita Fafá Rosado, condenada, ela poderá ser condenada a pagamento de multa, perder os direitos políticos e até perder o mandato. "Só quando concluirmos a ação, é que vamos saber qual a punição que será pedida. Isso ainda está em análise", declarou.
A reportagem da Revista Veja citada pelo promotor foi veiculada no começo do ano. Trata-se do material que cita as cidades brasileiras que podem em breve se tornar "metrópoles do futuro".
Na época, a Prefeitura de Mossoró fez ampla divulgação. Da mesma forma ocorre agora com a matéria da mesma publicação semanal que cita Mossoró como uma das cidades que mais cresceram em renda per capita no Brasil.

Um comentário:

  1. Existem duas formas de destruir a misericórdia: eliminando o pecado e eliminando o perdão. Estas são precisamente as duas atitudes mais comuns nos dias que correm. Numa enorme quantidade de situações não se vê nada de mal. Naquelas em que se vê, não há desculpa possível. As acções do próximo ou são indiferentes ou intoleráveis. O que nunca são é censuradas e perdoadas. O que nunca se faz é combinar o repúdio do pecado com a compaixão pelo pecador.

    ResponderExcluir